domingo, 24 de maio de 2009

Manuela Moura Guedes VS Marinho Pinto



Hoje há muitas pessoas a sofrer do que eu costumo de apelidar de “complexo de Diana de Gales”. O complexo de Diana de Gales não é nada mais, nada menos do que usar e se deixar usar pelos média ,segundo as conveniências e necessidades dos intervenientes.
Incomoda-me ver políticos entre outros intervenientes, usarem espaços que se pretendem de informação e esclarecimento para fins de propaganda pessoal.

Admito que tenho uma admiração pessoal por Manuela Moura Guedes, mas não se pense por isso, que posso perder a objectividade e ser parcial. Já estive para a abordar varias vezes e demonstrar-lhe o meu apreço, só não o fiz porque a minha timidez o impediu.

Até posso concordar que o estilo da Manuela Moura Guedes pode ser discutível e polémico, mas confesso que é das poucas pessoas que vejo contrariar o “complexo de Diana de Gales”.
Se a apelidam de agressiva só poderá ser porque faz um jornalismo de perguntas incómodas e pertinentes, não deixando subverter as regras de uma entrevista. Acredito que este tipo de atitude cause manifesto incómodo a determinado tipo de entrevistados, já que muitos gostam de usar estes espaços de antena para manipular os factos para poderem colher os devidos dividendos.

Sabendo do estilo da pivot de informação, referido anteriormente, foi com muita estranheza que ouvi o Dr. Marinho Pinto dizer que aceita o convite para um espaço de informação mediado por uma pessoa, que segundo ele, faz um péssimo jornalismo e a conhece pelos piores motivos, este argumento parece-me no mínimo pouco coerente,como foi aliás todo o seu discurso.

Que me perdoe o Dr.Marinho Pinto porque é uma pessoas com que aprecio,mas do que pude observar segue em rigor aquele velho adágio ,“olha para o frei Tomas, olha para o que ele diz, mas não para o que ele faz”, acusa Manuela Moura Guedes de fazer juízos de opinião e acaba a entrevista a fazer o que ele próprio acaba de criticar.

Se me permitem a conclusão é que se calhar devia haver mais incomodas “Manelas”, talvez os debates políticos e determinadas hipocrisias voltassem a ter menos marketing e mais conteúdo.



5 comentários:

Lesma Morta disse...

Caro Pedro. se bem que a minha admiração pela Manuela não seja como a tua, respeito-a e por isso sou da opinião de que tanto um como outro, embora por razoes diferentes, não estiveram bem. Ela porque tornou a entrevista num comentário. ele porque "rabiou" as respostas fugindo como convém ás mais incomodas. porém entendo que o estilo da MMG de picar os seus convidados como se numa tourada estivesse, é escola que cabia nos anos 80 não agora.

Abraços

Jorge

Rabisco disse...

Assisti em directo ao sucedido e também já encontrei o vídeo espalhado por alguns blogs... Na generalidade vinham acompanhados de insultos à Manuela Moura Guedes...
Confesso que fico estupefacto com isso...uma coisa é não simpatizar com a jornalista ou com o seu trabalho (pode acontecer), outra bem diferente é condenar e aproveitar uma situação destas para o fazer... Porque todas essas opiniões deveriam recair sob a má postura, falta de educação e de respeito do entrevistado!
Isso sim!

Abraço

Pedro Ramos e Ramos disse...

Compreendo jorge , mas já agora quando Sr. Bastonário aceitar o novo convite seria bom que olhasse para este tipo de espaços como lugares propícios ao esclarecimento e não como uma possibilidade de propaganda em benefício próprio.
Gostaria também que respondesse com clareza as perguntas colocadas, especialmente quando é confrontado com declarações feitas pelo próprio e deixasse os truques de advogado para os tribunais.
É com pena que constato que o Sr. Bastonário conseguiu o que queria, desviar a atenção do essencial para o supérfluo.
Lamento que se dê mais importância á forma do que ao conteúdo, em suma, que alguém se olhe para a Manuela Moura Guedes e esteja importado com a sua postura jornalística e não repare no comportamento e nas opiniões populistas e inconsequentes do Sr. Bastonário .

CR disse...

Até os números podem ser manipulados. Quanto mais os factos... Sou jornalista, conheço muito bem o código deontológico e o Estatuto do Jornalista. E o Bastonário tem toda a razão em afirmar que veio "constatar pessoalmente a vergonha" que é o espaço que a MMG apresenta às sextas-feiras. Está tudo mal. Não há meio termo. A senhora - que contrariou todas as regras do Estatuto... quer por fazer publicidade; quer por se ter dedicado à política - não tem credibilidade nenhuma. As audiências que o jornal das sextas da TVI apresentam, só podem ser explicadas pelo atraso de mentalidade que... um senhor que usava botas... originou ao ter estado tantas décadas à frente do país.
A MMG envergonha a classe! A prová-lo estão as chamadas de atenção e até as penalizações da ERC... enfim. Pedrocas, ao 'Rabisco' - que fez um comentário - tenho a dizer o seguinte:

- O Bastonário não se aproveitou do espaço; reagiu como qualquer ser humano confrontado com tanta provocação;

Ao 'Lesma Morta', um comentário:
- nos anos 80 eu ainda não tinha idade para fazer Jornalismo. Ainda assim, conheço muitos profissionais que estavam no activo nessa altura e que não se tornaram Mestres em 'picar' os entrevistados. Essa não é uma Escola... só se for a Escola da Ignorância e do Poder. A MMG age assim porque é a 'dona' da TVI.

Beijinhos a todos.

PEDRO PINA disse...

pedro, passei para te deixar um abraço

pp